image          

Bolsonaro diz que seu plano de privatizações agrada ao mercado

Crédito/fonte: Douglas Corrêa - Notícias de Destaque da Semana - Data: 14 de outubro de 2018


image

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, disse neste sábado (13) que o plano de privatizações previsto por sua campanha, caso seja eleito, será de inteiro agrado do mercado e que, em princípio, as primeiras estatais que serão alvo de análise para privatização serão as criadas pelos governos do Partido dos Trabalhadores. Segundo ele, as privatizações serão realizadas com responsabilidade.

“Em um primeiro momento, aquelas quase 50 estatais criadas pelo PT e ainda sobram 100. Essas outras têm que ter um modelo para privatizar com responsabilidade, logicamente que as estratégicas não privatizaremos, como Banco do Brasil, Caixa Econômica e Furnas, entre outras. Mas, como um todo, tenho certeza que o mercado vai gostar do nosso plano de privatização porque é uma maneira a mais de combater a corrupção e o Estado tem que estar com aquilo que é essencial nas suas mãos, que são as estratégicas”, avaliou.

Com relação às propostas para a área da saúde, o candidato pelo PSL disse que prioritariamente é preciso combater à corrupção para que sobrem recursos para serem aplicados em outras áreas. As declarações foram dadas ao deixar a casa do empresário Paulo Marinho, onde gravou o programa político partidário.

Violência

Bolsonaro também voltou a falar sobre o aumento da violência motivada por disputas políticas. Ele citou a facada sofrida por ele, em Juiz de Fora, no dia 6 de setembro, e disse que lamenta esse tipo de agressão, que classificou de "bastante violenta".

“Gostaria que elas parassem. Me acusam de intolerante, mas quem levou a facada fui eu. Se eu tivesse poder de apenas falar para evitar tudo isso, eu exerceria esse poder. Apelo a todos do Brasil que deixem as paixões de lado. Não estamos disputando uma partida de Fla-Flu”, afirmou o candidato.

Bolsonaro não confirmou se participará dos dois debates que estão marcados para segundo turno. Ele disse que, mesmo se for liberado pelos médicos na avaliação que fará quinta-feira (18), pode não comparecer, "como estratégia de campanha". No entanto, afirmou que, se Haddad quiser debater com ele na rua, na frente de jornalistas, aceitará o debate.

Investimento nas Forças Armadas

O presidenciável disse ainda que, se eleito, investirá mais nas Forças Armadas, que, segundo ele, ficaram esquecidas nos últimos anos. "Investir no Exército é benéfico para a própria economia. Vamos tratar com respeito e consideração."

Para o candidato, isso não ocorreu ao longo dos últimos 30 anos.





Programa eleitoral de Haddad aborda violência por divergência política

Crédito/fonte: Kelly Oliveira e Pedro Rafael Vilela - Notícias de Destaque da Semana - Data: 13 de outubro de 2018


image

No primeiro programa do horário eleitoral gratuito no segundo turno, exibido nesta sexta-feira (12), a campanha de Fernando Haddad (PT) explorou os recentes episódios de violência motivados por divergência política. Segundo o programa, apoiadores de Jair Bolsonaro realizaram nos últimos dias pelo menos 50 agressões por “motivos fúteis” contra pessoas que declaram não votar no candidato do PSL.

Um dos casos mencionados foi o assassinato do mestre de capoeira Moa do Katendê, ocorrido na noite do dia 7 de outubro, em Salvador. O artista levou 12 facadas de um homem em um bar após uma discussão entre os dois por causa da discordância entre ambos na escolha do candidato a presidente.

Na sequência, a campanha do petista defendeu que a democracia está em risco com a possibilidade de eleição de Bolsonaro. Para campanha de Haddad, o segundo turno que deveria ter um debate de propostas foi transformado em uma “onda de violência e intolerância”. Foram exibidos ainda depoimentos de pessoas que dizem amedrontadas pela escalada de violência e o crescimento do ódio.

Haddad falou em defesa da preservação de direitos e de como enfrentar o desafio da geração de empregos e garantia de comida na mesa. Ele propõe a criação do programa "Meu emprego de novo" para estimular contratações a partir da retomada de obras públicas paradas. O candidato aponta que é melhor o povo com um livro não mão do que com armas.

Em outro ponto, o programa também destacou o currículo do petista, que é doutor em filosofia, mestre em economia e professor universitário, recordando suas realizações como ministro da Educação. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva aparece numa breve passagem, ao lado de Haddad, fazendo uma declaração de elogio ao seu ex-ministro.





Em 13 estados, eleição de governador foi decidida no primeiro turno

Crédito/fonte: Agência Brasil - Notícias de Destaque da Semana - Data: 09 de outubro de 2018


image

Eleitores de 13 estados escolheram em primeiro turno seus governadores. O resultado já está definido nos seguintes estados: Alagoas (MDB), Bahia (PT), Ceará (PT), Paraíba (PSB), Piauí (PT), Maranhão (PCdoB), Tocantins (PHS), Pernambuco (PSB), - onde os governadores foram reeleitos - e no Paraná (PSD), Goiás (DEM), Mato Grosso (DEM), Espírito Santo (PSB) e Acre (PP) onde novas candidaturas venceram.

Na Região Nordeste, os sete governadores vitoriosos são aliados do candidato do PT, Fernando Haddad: no Ceará, Camilo Santana (PT); no Piauí, Wellington Dias (PT); na Bahia, Rui Costa (PT); em Alagoas, Renan Filho (MDB); no Maranhão, Flávio Dino (PCdoB); na Paraíba, João Azevêdo (PSB); em Pernambuco, Paulo Câmara (PSB).

Desses estados, somente Azevêdo, na Paraíba, não foi reeleito.

Na Região Norte, Mauro Carlesse (PHS) decidiu a disputa no primeiro turno no Tocantins. Carlesse é o atual governador, eleito após a cassação do mandato do emedebista Marcelo Miranda. Gladson Cameli (PP) foi eleito no Acre.

Em Goiás, o senador Ronaldo Caiado (DEM) foi eleito governador do estado pela primeira vez. Já no Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB) voltará ao poder. O Paraná elegeu o estreante Ratinho Júnior (PSD).

2º turno

Haverá segundo turno em 13 estados e no Distrito Federal. Em Minas Gerais, no Distrito Federal e no Rio de Janeiro haverá segundo turno com candidatos em primeiro lugar que não apareciam entre os favoritos. Em Minas, o candidato do Novo, Romeu Zema, conquistou o primeiro lugar, desbancando o governador de Minas, o petista Fernando Pimentel, que não conseguiu chegar ao segundo turno, e retirando do tucano Antonio Anastasia o favoritismo.

No Rio de Janeiro, o candidato do PSC Wilson Witzel bateu o ex-prefeito Eduardo Paes (MDB) e retirou do segundo turno o senador e ex-jogador de futebol Romário (Podemos).

No Distrito Federal, aconteceu a mesma novidade: Ibaneis, do MDB, que não aparecia nas pesquisas de intenção de votos, foi para a primeira posição, mas o atual governador, Rodrigo Rollemberg (PSB), que aparecia em terceiro, conseguiu passar para o segundo turno.





Previsão de Tempo CPTEC/INPE


Parceiros Correio Bragantino News

Click aqui !!!
Rádio Ajuruteua transmitindo sua programação musical com qualidade sonora de 96 kbps AAC+. Click no banner e acesse o site da emissora

Sites de Rádios e Serviços Regionais

- Emissoras de Rádios AM e FM e serviços de Som da cidade de Bragança-Pará